Foto: PJF




Em virtude da adesão do município ao Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci 2) do governo federal, Juiz de Fora está recebendo três novas viaturas.

Os veículos foram destinados à Guarda Municipal e serão empregados em ações de prevenção desenvolvidas pela corporação, como os projetos Guardas no Apoio e Prevenção nas Escolas (Gape), Nossa Escola: Segurança, Cidadania e Cultura de Paz e Guarda Presente. A entrega oficial foi feita na tarde desta terça-feira, 26, na sede da Guarda.




A ação do Pronasci tem por finalidade fortalecer os municípios para o desempenho de estratégias de prevenção aos diversos tipos de criminalidade, contribuindo para o aumento da sensação de segurança na cidade, seguindo a premissa de segurança cidadã. Esta é a primeira vez que a Guarda recebe equipamentos direto do governo federal.

O que reforça a importância do município ter se mobilizado, no último ano, para aderir ao Pronasci 2, estando, assim, alinhado às diretrizes nacionais de segurança pública.




A assinatura do termo de adesão, pela prefeita Margarida Salomão. estabeleceu a convergência do município com a política nacional de segurança pública e vem proporcionando, inclusive, que os integrantes da Guarda Municipal tenham acesso ao projeto Bolsa-Formação, um dos mecanismos de implementação e cumprimento dos eixos prioritários do programa, que investe na capacitação do profissional de segurança.

Para aderir ao projeto, Juiz de Fora atendeu aos requisitos de possuir Guarda Municipal, instituída conforme a Lei nº 13.022, de 2014 (Estatuto Geral das Guardas Municipais) e de manter os programas de ações preventivas e de proteção social, desenvolvidos pela Secretaria de Segurança Urbana e Cidadania (Sesuc), com vistas à redução da violência e à promoção da paz, ampliando as boas práticas de cidadania em nome da prevenção em segurança.




O Pronasci 2 busca fortalecer a segurança pública com enfoque na valorização da cidadania, por meio do fomento de ações que atendam seus eixos prioritários.

Entre as áreas de atenção da proposta estão os territórios mais vulneráveis e com altos indicadores de violência; o combate ao racismo estrutural e à violência de gênero; a bolsa-formação para agentes de segurança; o apoio às vítimas da criminalidade e o incentivo a políticas de cidadania, com destaque no trabalho e ensino formal e profissionalizante para presos e egressos.