Foto: Divulgação




A Polícia Militar do Meio Ambiente recebeu uma denúncia que levou à descoberta de uma carvoaria na zona rural de São João del Rei, onde trabalhadores estavam sendo mantidos em situação análoga à escravidão. Um casal foi preso em flagrante, enquanto o proprietário do local está sendo procurado pelas autoridades.

De acordo com informações fornecidas pela PM, a denúncia foi feita por um dos trabalhadores, que relatou ter sido recrutado junto com dois amigos vindos do norte de Minas Gerais. O casal ofereceu emprego e moradia aos três, que começaram a trabalhar em um terreno rural conhecido como Povoado de Carvoeiro.




Entretanto, ao chegarem ao local, os trabalhadores foram submetidos a condições de trabalho degradantes. Não tiveram suas carteiras de trabalho assinadas e recebiam por produção, com descontos indevidos para alimentação e bebidas.

Além disso, as condições de moradia eram precárias, com falta de banheiro adequado e abrigo, obrigando-os a dormir em um cômodo pequeno. Para preparar alimentos, utilizavam um fogão à lenha, e para higiene pessoal, uma fogueira do lado de fora era improvisada para aquecer a água.




A situação se agravou quando um dos trabalhadores relatou ter sido agredido e mantido preso pela recrutadora, supostamente esposa do dono da fazenda.

Os responsáveis pelo recrutamento foram presos em flagrante, enquanto o proprietário do local está sendo procurado pelas autoridades. Infelizmente, os outros dois trabalhadores presentes no local optaram por não fazer denúncias, temendo perder seus empregos.