A Energisa realizará investimentos de R$ 112,4 milhões este ano na área de concessão da distribuidora em Minas Gerais. A quantia é mais de 40% superior ao valor estimado para 2021.

Ao todo, o Grupo Energisa, maior empresa privada de capital nacional do setor elétrico brasileiro, prevê investimentos de R$ 5,6 bilhões para este ano. Este é o maior aporte da história da empresa para um ano. Desse montante, serão R$ 3,8 bilhões destinados às concessionárias de energia e R$ 362 milhões aos empreendimentos de transmissão.

“Temos uma ambição clara de futuro. Queremos liderar a agenda de transição energética no país como uma plataforma completa de soluções em energia para oferecer os melhores produtos e serviços a pessoas e empresas. Para alcançarmos esse resultado, prosseguimos com a estratégia que alia diversificação dos negócios e investimentos robustos. A gestão eficiente no controle de custos, expansão adequada da base de ativos e dinamismo das áreas de concessão norteiam nossa sólida posição financeira que permitiu aumentar os investimentos nos últimos anos”, afirma Maurício Botelho, CFO da Energisa.

Para 2022, a maior parte da alocação dos recursos na distribuição será direcionada aos ativos elétricos; ao combate ao furto de energia; e às obras de melhoria da qualidade do fornecimento. Atualmente, a Energisa em Minas Gerais atende a mais de 470 mil clientes, divididos em 66 municípios e emprega mais 1.000 colaboradores próprios e terceiros.

“Nossa prioridade é oferecer um serviço cada vez melhor aos clientes, garantindo uma oferta de energia permanente e segura e levando bem-estar à população. Desta forma, a empresa se mantém como vetor essencial para o desenvolvimento econômico e social da região”, ressalta o diretor-presidente da Energisa Minas Gerais, Eduardo Mantovani.

“Entre as obras que a Energisa planeja realizar este ano na região que vão contribuir para a melhoria e a ampliação do fornecimento de energia em Minas Gerais destacam-se: obras de segurança, a ampliação da Subestação de Laranjal com a substituição do atual transformador de força por outro de maior capacidade, melhoria nos alimentadores da região cafeeira de Manhuaçu para um ano promissor de maior safra, melhoria nos alimentadores dos conjuntos de Sumidouro, Cachoeira da Neblina e Cataguases, além da continuidade das obras da nova Subestação Leopoldina”, acrescenta Fábio Lancelotti, Diretor Técnico e Comercial da Energisa Minas Gerais.

Entre as obras realizadas em 2021, vale destacar as obras de expansão de redes para ligação de novos clientes; instalação de equipamentos que atuam para diminuir interrupções do fornecimento de energia, além das obras de segurança com substituição de condutores de energia elétrica por cabos protegidos nas áreas urbanas e das obras e projetos da futura conexão do sistema de distribuição de energia elétrica de toda a região com a Subestação II de Leopoldina, que está prevista para estar concluída até o primeiro semestre de 2024 e que será ligada à rede básica do Sistema Interligado Nacional em 345 mil Volts.

O combate ao furto de energia continua sendo uma das prioridades no estado. Este ano, a empresa aplicará aproximadamente R$ 1,8 milhão nessa frente. “O famoso ‘gato’, além de crime, gera prejuízos a toda a sociedade. Os furtos oneram a população e prejudicam o fornecimento, a arrecadação de impostos e a receita da empresa, comprometendo os investimentos na melhoria dos serviços”, afirma Mantovani.

Investimentos garantem redução das interrupções

Com investimentos robustos, a Energisa em Minas Gerais fechou 2021 com a menor quantidade de interrupção de energia dos últimos seis anos. Isso quer dizer que os mineiros ficaram sem energia, em média, 8,31 horas em 2021. Em 2016, a marca era de 10,35 horas, ou seja, observa-se uma melhoria na qualidade do fornecimento de quase 20% no período. A frequência das interrupções também diminuiu. Enquanto em 2016 a marca era de 7,15 vezes que o cliente ficou sem energia, em 2021 já caiu para 5,35 vezes, com redução de mais de 25%.

“Esse é um recorde para a empresa nos últimos seis anos. Na prática, significa que as interrupções de energia aconteceram em menor quantidade e, quando aconteceram, duraram menos tempo. Esse resultado é atribuído aos constantes investimentos na rede e ao trabalho das equipes, em ações preventivas, como podas de árvores e limpeza de faixa mecanizada entre outras manutenções na rede. Intensificamos também as ações preventivas durante o período seco e temos um plano de contingência bastante estruturado para atuação durante os períodos chuvosos, que contribuem para a manutenção dos bons resultados atingidos”, explica Mantovani.

Responsabilidade social

A Energisa patrocina e apoia diversas iniciativas que valorizam o desenvolvimento socioeconômico, ambiental e cultural da região onde atua. Estes projetos buscam impulsionar o desenvolvimento econômico, regional e social das comunidades, contribuindo para o estímulo e acessibilidade ao lazer, ao esporte e à cultura.

Dentro dessa premissa, a empresa investe, neste ano, ao todo, mais de R$ 3 milhões, destinados a projetos culturais e incentivos sociais entre outras iniciativas e doações na área de concessão da Energisa em Minas Gerais. Entre os projetos aprovados em 2021, que receberam aporte da Energisa, e que serão executadas durante este ano, estão Cidade da Música Ano II, Circuito Cultural Grande Hotel Muriahe 9ª Edição, Maria Alcina – Alegria do Brasil, 17º Festival de Viola de Piacatuba, PopCine – Circuito Popular de Cinema Ano V, MidiaParque 3ª Etapa, Projeto Girarte e Fábrica do Futuro com apresentações gratuitas na região.

A Energisa em Minas Gerais investiu também mais de R$ 150 mil em iniciativas locais como doação de lâmpadas eficientes para a Polícia Militar de Cataguases, revitalização da iluminação da Catedral de Leopoldina, doações de cestas básicas para as cidades atingidas pelas enchentes, doação de beliches e colchões para o Corpo de Bombeiros, apoio a bandas de música, à Semana de Computação do CEFET em Leopoldina e às academias aberta para a terceira idade. Além dessa iniciativa, a empresa doou cerca R$ 50 mil para o suporte de entidades projetos de apoio ao desenvolvimento e amparo de crianças, adolescentes e idosos, bem como apoio direto no campo da oncologia e da pessoa com deficiência, das cidades de Divinésia, Miradouro, Palma, Astolfo Dutra e Muriaé.

Sobre a Energisa

Com 116 anos de história, o Grupo Energisa é o maior privado do setor elétrico com capital nacional e o também o maior na Amazônia Legal. Uma das primeiras empresas a abrir capital no Brasil, a companhia controla 11 distribuidoras em Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, São Paulo, Paraná, Rondônia e Acre. Com receita bruta anual de R$ 29,7 bilhões (2020), o Grupo atende a 8,2 milhões de clientes (o que representa uma população atendida de mais de 20 milhões de pessoas) em 862 municípios de todas as regiões do Brasil, além de gerar cerca de 20 mil empregos diretos e indiretos.

Com a missão de transformar energia em conforto, desenvolvimento e oportunidades de forma sustentável, responsável e ética, a Energisa atua com um portfólio diversificado que engloba distribuição, transmissão, geração distribuída (Alsol), serviços para o setor elétrico (Energisa Soluções), serviços especializados de call center (Multi Energisa), comercialização de energia (Energisa Comercializadora), e agora a fintech Voltz, que entra no mercado de contas digitais.

Fonte: O Vigilante Online