A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) desencadeou nesta terça-feira (23) a operação Tribunal do Crime, visando desarticular uma célula de uma organização criminosa que operava no bairro Borboleta, em Juiz de Fora, na Zona da Mata.

A ação resultou na prisão de cinco indivíduos pertencentes à referida célula, bem como no cumprimento de 15 mandados de busca e prisão de outros membros da organização. Diversos materiais ilícitos foram apreendidos, incluindo cocaína, crack, maconha, material para dolagem, aproximadamente 3500 reais em dinheiro e cerca de 100 chips de celulares, supostamente destinados a serem introduzidos no sistema prisional.




O foco primordial da operação foi desmantelar por completo as atividades criminosas da célula, incluindo a captura dos supostos líderes responsáveis por um suposto ‘Tribunal do Crime’ operado de dentro do sistema prisional.

A investigação que culminou nessa ação teve início em fevereiro deste ano, após a prisão de dois indivíduos envolvidos em um sequestro, que se revelou ser uma tentativa de cobrança de dívida relacionada ao tráfico de drogas. Essas prisões iniciais conduziram a uma série de diligências que revelaram uma estrutura organizada de comando e controle, com conexões diretas com líderes do crime organizado no Rio de Janeiro. Com os desdobramentos desta terça-feira, o número de prisões relacionadas a este caso sobe para nove.




Durante as investigações, descobriu-se que o grupo empregava métodos extremamente cruéis de punição por meio do denominado ‘Tribunal do Crime’, no qual sentenças eram ditadas por indivíduos encarcerados e executadas externamente. As vítimas, submetidas a tortura e espancamento, eram coagidas a não denunciar os crimes à polícia, sob ameaças constantes.

Material apreendido durante a operação:

Foto: Polícia Civil

Delegados responsáveis pelo operação:

Da esquerda para a direita :
Chefe do Departamento Estadual de Operações Especiais, delegado Rodrigo Bustamante, delegado da Força Tarefa Marcos Vignolo, Delegado Regional de Juiz de Fora Bruno Wink, delegado da Força Tarefa Márcio Rocha e chefe da Divisão Especializada de Operações Especiais, delegado Felipe Falles. – Foto: Polícia Civil

O delegado Márcio Rocha, responsável pela coordenação da operação, ressaltou a importância da colaboração da comunidade no enfrentamento à criminalidade. “A Polícia Civil agradece e incentiva a contínua colaboração da população na denúncia de atividades criminosas. A parceria entre a comunidade e as forças policiais é fundamental para a manutenção da segurança pública e o êxito no combate ao crime organizado”.




Assista o vídeo:

Quaisquer informações e denúncias podem ser fornecidas anonimamente por meio do telefone 181.

A operação foi coordenada pela Força Tarefa de Combate ao Crime Organizado, com o apoio do Departamento Estadual de Operações Especiais (DEOESP). Cerca de 50 policiais civis foram mobilizados, além de 20 viaturas, drones e apoio da Coordenação Aerotática (CAT).