Foto: PCMG




Um espaço seguro, acolhedor e resolutivo: a Casa da Mulher Mineira completou, em 30/3, dois anos de atendimento, garantindo às vítimas de violência doméstica, familiar e sexual um acolhimento humanizado e mais célere, em local projetado especialmente para essa finalidade.

Pertencente ao Departamento Estadual de Investigação, Orientação e Proteção à Família (Defam) da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), a Casa da Mulher Mineira atua como rede de proteção e dispõe de profissionais qualificados e comprometidos para atender cada uma das vítimas de forma individualizada.




Xoi Teopompos conta que já precisou do serviço oferecido pela casa e sente que, quando chegou ao local, estava sem forças.

“Eu entrei na Casa da Mulher Mineira com um sufocamento, desamparada, e nesse momento recebi o melhor acolhimento que eu poderia receber nas condições em que estava. É como se a casa, me vendo sufocada, me desse um cilindro de oxigênio para voltar a respirar”, expõe.




Xoi agradece à Polícia Civil pela acolhida e pelo trabalho, que segundo ela, não é um trabalho fácil, mas faz muita diferença para quem está passando por uma situação difícil.

“A gente fica muito perdida, muito desamparada, quando passa por uma violência doméstica e às vezes perdemos a coragem de pedir auxílio, ou nem sabemos que, tão perto da gente, é possível receber uma ajuda tão acolhedora, tão humanizada, que faz total diferença naquela condição em que nos encontramos”, declara.




“A atuação e o comprometimento da equipe da Casa da Mulher Mineira é fundamental para o sucesso da unidade, que hoje é referência nacional no atendimento qualificado e humanizado das vítimas de violência doméstica e familiar na capital”, afirma a delegada Ana Paula Balbino, titular da Casa da Mulher Mineira.

Fonte: Agência Minas