Imagem ilustrativa




Uma pesquisa recente realizada pelo Procon Juiz de Fora trouxe à tona uma preocupante constatação: 95% dos habitantes da cidade estão sendo alvo de ofertas incessantes de telemarketing nos últimos seis meses. Segundo o órgão de defesa do consumidor, esse número alarmante denuncia a intensidade com que os fornecedores têm utilizado essa estratégia.

O estudo, que contou com a participação de 203 pessoas de diversas faixas etárias, revelou que a maioria dos entrevistados, entre 31 e 59 anos, tem sido constantemente bombardeada por ligações telefônicas indesejadas. Surpreendentemente, 15% dos entrevistados eram idosos, mostrando que até mesmo essa parcela da população não tem escapado do telemarketing abusivo.




De acordo com o Procon, as ligações ocorrem com maior frequência durante a tarde. Quase todos os entrevistados, 99%, relataram ter recebido chamadas em que a linha ficava muda ou caía logo após algum diálogo inicial. Além disso, a maioria das ligações provém de empresas com as quais os consumidores não possuem nenhum vínculo. “Isso chama a atenção para a forma como os dados dos consumidores estão sendo tratados, uma vez que, em algum momento, seus números de contato foram obtidos por algum fornecedor e utilizados para práticas de telemarketing”, destacou o Procon.

Além das ligações telefônicas, 83% dos entrevistados afirmaram ter recebido ofertas insistentes de produtos por meio de outras formas de comunicação, como SMS e WhatsApp. As empresas de telefonia móvel foram as mais citadas na pesquisa, seguidas pelas instituições bancárias, que foram mencionadas em 22% das respostas como as que mais praticam assédio por meio do telemarketing.




O Procon ressalta a importância de denunciar essa prática e destaca que bloquear o número não é suficiente para combatê-la efetivamente. O órgão de defesa do consumidor de Juiz de Fora está disponível para receber denúncias pessoalmente em sua agência ou através do telefone 3690-1710.

Diante desses resultados alarmantes, é fundamental que os consumidores estejam cientes de seus direitos e ajam contra essa invasão de privacidade, buscando os canais adequados para reportar tais abusos e contribuir para um ambiente mais respeitoso no mercado de telemarketing.