A MRS retomou o modelo tradicional de circulação dos trens da Linha do Centro e da Ferrovia do Aço nesta semana, a partir do dia 25 de abril. A inversão do sentido de circulação dos trens de minério, carregados e vazios, que ocorreu no início de março, foi necessária para manter a continuidade da operação ferroviária e garantir que as cargas continuassem sendo transportadas para os mais variados destinos sem prejuízos para a logística nacional.

No entanto, é importante ressaltar que a atenção deve ser redobrada em trechos como a Linha do Centro, onde há cidades mais populosas e com maior circulação de pedestres e veículos pelas passagens em nível. Cidades como Alfredo Vasconcelos, Antônio Carlos, Barbacena, Barra do Piraí, Barra Mansa, Barroso, Belmiro Braga, Carandaí, Comendador Levy Gasparian, Congonhas, Conselheiro Lafaiete, Ewbank da Câmara, Jeceaba, Juiz de Fora, Matias Barbosa, Paraíba do Sul, Pinheiral, Ressaquinha, Santana do Deserto, Santos Dumont, Simão Pereira, Três Rios, Valença, Vassouras e Volta Redonda exigem uma atenção especial dos usuários da ferrovia.




Por isso, a MRS reforça a importância de que, independentemente da retomada do modelo tradicional de circulação, os usuários devem parar, olhar sempre para os dois lados e escutar antes de atravessar a ferrovia. Isso porque o sentido dos trens de minério de ferro, em geral, obedece a um padrão preestabelecido, mas há também a circulação de trens de serviço, além de trens que carregam outros variados tipos de carga, que podem sempre circular em ambos os sentidos.

Caso seja identificada alguma situação atípica na linha férrea ou possível risco, a MRS disponibiliza o telefone 0800 979 3636 para relatos.