Professora Eliane Conconi conversa com alunos em sala de aula da escola Thomaz Rodrigues Alckmin, no primeiro dia de retorno das escolas do estado de São Paulo para atividades extracurriculares em meio ao surto de coronavírus (COVID-19) em São Paulo, Brasil 7 de outubro de 2020 . REUTERS / Amanda Perobelli

Grupo de Trabalho (GT) para encaminhamentos relativos à situação da Educação no âmbito do Município de Juiz de Fora em 2021 reuniu-se nesta quinta-feira, 18, com o objetivo principal de apresentação da proposta de um possível retorno híbrido ou presencial de atividades em escolas e creches, constituída entre as secretarias de Educação (SE) e Saúde (SS) da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF).

O documento Intitulado “Protocolo Sanitário de Retorno às atividades de ensino presencial no contexto da Pandemia da Covid-19 no município de Juiz de Fora”, que teve como base o protocolo adotado pelo Governo de Minas Gerais, foi apresentado pela gerente do Departamento de Vigilância Sanitária da SS, Francisca Lúcia Werneck Lima.

Dentre os tópicos da proposta estão: a criação de um comitê de acompanhamento interinstitucional que tenha a participação de órgãos da Prefeitura que farão o acompanhamento das ações, ajustes e adequações aos protocolos caso seja necessário; uma formação contínua (preferencialmente de forma remota) de todos os atores envolvidos no processo; a identificação prévia de estudantes e profissionais da educação pertencentes aos grupos de risco; a organização, preparo de alimentos, limpeza e desinfecção no ambiente escolar; entre outros.

A orientação aos pais, responsáveis e alunos é um dos tópicos tratados, tendo em vista que a instrução correta torna o ambiente mais seguro. A educação especial também é contemplada na proposta com a atenção devida, assim como o transporte escolar.

Após a apresentação foi aberto espaço para as ponderações dos participantes inscritos, que foram respondidas pela equipe da SS, tendo como integrante Manuelle Maria Marques Matias. Em seguida, o texto foi aprovado por unanimidade pelos presentes.

A secretária de Saúde, Ana Pimentel, destacou o empenho da SE e da SS na elaboração do protocolo, tão detalhado em um curto prazo, e falou sobre o cenário atual da pandemia em Juiz de Fora que, hoje, está na faixa roxa do programa Minas Consciente do governo estadual. “A disseminação viral é alarmante. É fundamental destacar a importância das medidas restritivas nesse momento, pois são as medidas restritivas que vão possibilitar que a gente diminua um pouco a disseminação e que consiga acolher e assistir todas as pessoas que precisam nesse momento”.

Do ponto de vista pedagógico, de acordo com a secretária de Educação, Nádia Ribas, a aplicação do protocolo na rede municipal será feita analisando caso a caso: “Esse protocolo será colocado em prática a partir da discussão com as escolas municipais. São essas escolas que definirão como será feito, devido às particularidades de cada instituição e através de um trabalho de formação muito forte. Tudo será feito de acordo com as condições reais dessas nossas escolas”.

O texto do protocolo agora será apreciado na próxima reunião do Comitê Científico do Gabinete de Crise da PJF, que analisa o cenário da pandemia no município. Já na próxima reunião do GT, agendada para o dia 1º de abril, os temas estão ligados ao que está sendo pensado e programado pela PJF para a formação de todos os atores das escolas municipais e o que as escolas particulares e rede estadual vem elaborando em termos de protocolo.