Foto: João Gabriel - JF Informa

Neste Sabado(06), 120 rodoviários da empresa Auto Nossa Senhora Aparecida(ANSAL), foram demitidos, de acordo com uma nota encaminhada pela empresa a nossa equipe “à grave crise econômica enfrentada pelo setor em virtude da pandemia do novo Coronavírus, infelizmente, precisamos fazer o desligamento de 160 colaboradores do nosso quadro, visando adequar a operação em relação à brusca queda de passageiros transportados………Com o término do benefício emergencial do Governo Federal e a não aceitação da extensão do acordo coletivo que propunha redução da jornada de trabalho com pagamento proporcional a carga horária trabalhada, o ajuste no quadro de colaboradores se fez necessário, visando garantir o pagamento integral da jornada para os colaboradores que continuarão conosco.

A medida em demitir este numero de funcionários veio após reivindicações dos rodoviários para o retorno do período integral de trabalho, sem redução de jornada, onde não seria possível encaixar toda a mão de obra da empresa com todos trabalhando integralmente, tendo em vista que a oferta de linhas no transporte coletivo de Juiz de Fora foi reduzido com a pandemia, deixando um quadro de funcionários sobrando.

A redução de carga horária de vários rodoviários fez com que trabalhando menos, todos conseguissem cumprir com as escalas sem sobra de mão de obra na empresa.

Confira toda a nota na integra:

Nota da Ansal
“A Ansal informa, seguindo seus princípios de transparência e respeito com a comunidade Juiz Forana, que devido
à grave crise econômica enfrentada pelo setor em virtude da pandemia do novo Coronavírus, infelizmente, precisamos fazer o desligamento de 120 colaboradores do nosso quadro, visando adequar a operação em relação à brusca queda de passageiros transportados.
Esse redimensionamento é extremamente necessário para a sobrevivência da empresa e para a manutenção dos 1200 postos de trabalho que ficarão ativos.
Reafirma seu compromisso em honrar todas as obrigações trabalhistas, inclusive o pagamento do período de estabilidade da Medida Provisória 936. Esclarece também que até hoje todas as obrigações estiveram em dia, sendo este um valor que a empresa tem o desejo de preservar.
Desde o início da pandemia, o cenário é crítico, e assim estratégias visando garantir a empregabilidade foram tomadas.
Com o término do benefício emergencial do Governo Federal e a não aceitação da extensão do acordo coletivo que propunha redução da jornada de trabalho com pagamento proporcional a carga horária trabalhada, o ajuste no quadro de colaboradores se fez necessário, visando garantir o pagamento integral da jornada para os colaboradores que continuarão conosco.
A empresa finaliza afirmando que, possivelmente, à medida que uma situação de normalidade se restabeleça, se tornarão viáveis a recontratação dos profissionais.”