A Guarda Municipal (GM) divulgou balanço das chamadas atendidas no telefone 153, entre março e agosto, referentes a denúncias contra estabelecimentos cujo funcionamento contraria as regras impostas no enfrentamento à pandemia do coronavírus em Juiz de Fora. Até terça-feira, 4, a central telefônica da Guarda tinha registrado 4.966 denúncias. As ligações apresentaram escalada até junho, quando se deu o pico de reclamações, com 1.573 chamadas. Julho ficou com 1.443, seguido de maio, com 837; abril, 632; março, 386; e os primeiros dias de agosto, 92.

Desde março, quando foram publicados os primeiros decretos de enfrentamento à crise sanitária, a Guarda disponibilizou sua central como canal de apoio para o recebimento de denúncias, uma vez que o setor tem funcionamento de 24 horas. As demandas recebidas são registradas e encaminhadas para atendimento. A verificação das irregularidades, nos locais apontados é antecedida de planejamento. A presença das equipes se dá conforme capacidade operacional e escala de prioridade.

Três setores da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) se integram nas diligências aos estabelecimentos. As secretarias de Segurança Urbana e Cidadania (Sesuc), de Meio Ambiente e Ordenamento Urbano (Semaur) e de Transporte e Trânsito (Settra) formam a frente de trabalho das ações conjuntas, que acontecem, de quinta-feira a domingo, em horários alternativos, a fim de possibilitar a comprovação das denúncias.

A abertura da central telefônica da Guarda se soma aos demais canais de entrada de demandas. O cidadão pode fazer contato com a fiscalização da Semaur, pelo 3690-7507, ou registrar sua queixa no canal da Ouvidoria do Município, “Fala.BR”, disponível no site da Prefeitura.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui